segunda-feira, 12 de Março de 2012

O dia D

Eu não ligo para datas. Não, não estou tentando fazer gênero. Você me conhece bem para saber que eu não sou dessas coisas. Na verdade eu tenho uma vaga ideia de quando começamos a namorar devido às festas que nós fomos. Sim, vivemos em festa. E sabemos fazer a festa!

Talvez por eu já estar demasiado calejada de lembrar de dias que há muito perderam o significado e de datas que, já não sendo minhas, ainda voltam na cabeça vez por outra, meu cérebro decidiu parar de processar esse tipo de informação.

Por isso amor, talvez eu não lembre de comemorar meses de namoro. Talvez eu esqueça datas que parecem relevantes para tanta gente. A verdade é que eu odeio ter dias estipulados para ser feliz. Porque desde que te conheci sou feliz todos os dias.

3 comentários:

Tati disse...

Deixe-me compartilhar contigo então a madrugada de hoje, que certamente não vou lembrar a data de hoje daqui algum tempo, mas vou lembrar do que houve todos os outros dias: Numa conversa com um sujeito, falando de um amigo em comum, lá estava a Tatiana aqui, elogiando os dois, quando um deles fala: “Somos quase na realidade Jules and Jim correndo pelo corredor apostando quem chega primeiro”

Daí eu te pergunto, Ana Lu: como não achar isso a coisa mais seriamente linda de todos os tempos?!

É por essas e outras que adorei esse seu post. Fodam-se as datas. Todo dia é dia de ser feliz. Toda hora também... enquanto a maioria dorme nesse momento, eu aqui estou tentando ver com o melhor diálogo de Truffaut!

Anónimo disse...

Eu odeio comemorar mes de namoro, acho um saco, mas faço pra evitar problemas

Larissa Bohnenberger disse...

Texto lindooooo, Ana!

E eu que passei por aqui pra dizer que tô retornando das cinzas, mas tem mais uma aqui que tá adormecida, heim? kkkkkkkkkkkk

Bjs!