terça-feira, 9 de junho de 2009

Divã (sim, mais um filme mulherzinha!)

Hoje de manhã, logo depois de tomar sol na varanda e antes de fazer a mala para ir de férias, vi um filmezinho que eu já estava para ver há algum tempo:



Assim como o livro da autora Martha Medeiros, cujos textos deliciosos normalmente acabam publicados como sendo de Jabor, o filme fala de uma mulher super normal, casadíssima, que decide fazer análise.

Inicialmente ela diz que nem sabe porque foi fazer terapia, afinal tem uma vida feliz. Mas, com o passar do tempo, acaba descobrindo que o casamento virou hábito e que a paixão deu lugar ao companheirismo. "Ele me olha com olhos acostumados", é como ela descreve o marido. Acho difícil alguém não entender o significado desta frase e não sentir o quão triste é essa constatação e o seu efeito na vida a dois.

Claro que depois ela dá a volta por cima (e que volta!) e pega o Reynaldo Gianecchinni e o Cauã Reymond. Tudo isso enquanto simplesmente vai vivendo e tentando acertar na vida, no amor, na felicidade.

E acho que essa é a grande mais valia do filme, é mostrar que não interessa o que aconteça na vida, não interessa a idade, sempre dá para recomeçar. E ainda que a gente cometa algum erro (não que pegar o Gianecchinni possa ser considerado erro), que caia e que chore, a gente tem que continuar tentando levar a vida da melhor maneira possível procurando sempre ser feliz!

2 comentários:

Val disse...

Tô doida pra ver esse filme!
Recomendo um, caso não tenha visto ainda, ROMANCE, com Wagner Moura e Letícia Sabatela. Perfeito!

Patrycia. Muito prazer! disse...

Já assisti esse filme 3 vezes (deu para sentir meu problema sério de compulsão?). Adorei (Deu pra perceber, neamm?). Sempre digo que Martha Medeiros não é feminista; é feminina. Acho que toda mulher se reconhece em alguma parte dessa história.