segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Degus... Quê??

Afinal eu sobrevivi ao encontro anual da empresa, embora o meu fígado não possa dizer o mesmo. E da mesma forma que “pau que nasce torto nunca se endireita”, quem nasce com alma de pobre nunca aprecia um “jantar de degustação”.

Gente, eu fui criada à base de arroz com feijão, carne moída, mexidão, batata frita, rodízio e macarronada de domingo. Essas são as minhas raízes. Portanto, sete pratos miniatura com sete vinhos diferentes não entram naquilo que eu designaria como a refeição ideal. Ainda mais quando isso inclui estar sentada desde as 8:30 até a meia noite e quinze. Ah, e sem contar que entre cada prato tinha a explicação do Chef.

O primeiro prato era perdiz com molho de limão. Estava gostosinho, não fosse o facto de ter sido servido frio. Ou melhor, gelado. O segundo prato foi sopa de ameijoa (um fruto do mar sem gosto que vem numa conchinha) e espinafre. Blergh!!! Nem a minha mãe me fazia comer espinafre quando era criança! Logo de seguida tivemos um medalhão de peixe com molho de coentros. Foi o mais gostoso. O problema é que não era um medalhão. Nem sequer era uma medalhinha. Estava mais parecido com um prêmio de consolação. Esse prato era acompanhado de arroz e eu pedi ao homem para botar mais uma colherada. Ou seja, comi duas colheres de arroz. Uau...

O prato seguinte foi o pior: Fígado de ganso mal passado com purê de maçã. Precisa dizer o quão asqueroso isso era? Em seguida vieram dois bifinhos (ênfase no “inhos”) de porco preto. Viram que chique? Você come a carne e ainda sabe a cor do animal. Assim eu vou ficar mal habituada e só vou querer comer filé de vaca malhada e frango branquinho. Ninguém merece! Depois, um queijinho com torradas e mais vinho. Nessa altura eu já tinha esquecido o meu nome e perdido a capacidade de articular mais de duas frases seguidas.

Até que, enfim, eis que era chegada a sobremesa. Eu estava a espera de uma daquelas sobremesas orgasmáticas, tipo um “petit gateau” ou um cheesecake de frutos silvestres. Mas não!!! Sorvete de limão com crepe. Precisa dizer o tamanho da minha decepção?

Affff... E eu nunca tive paciência para ouvir quando a minha avó dizia como tinha cozinhado um prato e me peguei tendo que escutar os mínimos detalhes sobre a confecção de uma iguaria culinária. Sim, porque comida fina não se chama comida. É uma iguaria. E iguarias nunca são cozinhadas, são confeccionadas. Quando muito são preparadas. E há toda uma ciência envolvida para encontrar o vinho certo para o de um determinado prato. Ah, mas por “prato” entenda-se aquela quantidade abissal que não chega para tapar o buraco do dente.

Resumindo, pode-se dizer que neste jantar de degustação aquilo que eu mais degustei foi mesmo o pãozinho com manteiga. Depois de quase quatro horas sentada a única coisa que eu queria era botar na boca algo que não implicasse um discurso antes ou um vinho a acompanhar... Alguma sugestão???

5 comentários:

Tyler Bazz disse...

Nessas horas que é sempre bom lembrar dos ensinamentos de... ahn.. alguém. Que já dizia: jantar de empresa? "buffet"? Come um dogão antes de sair, come...


;P

ivan chagas disse...

Aninhaaaa!!!!!!!
Qto tempo, mulher!
Espero ainda poder de desejar Feliz Ano novo... ou isso já muito over?!rsrsrsrsrs...
Gata, só posso te dizer uma coisa: desses pratos ai que vc descreveu, NEM o arroz eu comeria, primeiro pq detesto arroz, e segundo que eu sou MUITO CHATO pra comer!!!Muito, muito chato mesmo!!!!
Bom, falando nisso, to indo almoçar!!!rsrsrsr
Depois passa lá no meu blog, se der, tá?!

Bjãooooooooooooooo pra você!

MH disse...

Se for bater um PF no capricho me chama. Agora, não me venha com esse papo de degustação. esses pratinhos ficam lindos numa foto na revista gula. Eu adoro todos eles, mas não a ponto de comer.

: )

Leonardo disse...

hahaah que coisa hein! Realmente para quem foi criado na forma tradicional comer essas coisas deve ser barra! :)
Adorei a parte do "bifinhos de porco preto" dei muita risada! :D
Seu blog é ótimo! Parabéns!

Leonardo

http://leoribeirosilva.blogspot.com/

Marcelo disse...

Leva jeito para escrever... Legal