segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

No Santa, no lies

Eu fui daquelas crianças que chorou mundos e fundos quando descobriu que o Papai Noel não exisitia. E olha que eu descobri de um jeito tão bobo...

Foi em um Natal em que eu queria a Barbie cabeleireira (ou patinadora, ou qualquer outra Barbie que não vem ao caso). Só que essa boneca era a sensação do momento e esgotou nas lojas. Aí a minha mãe, se fazendo passar por Papai Noel, escreveu uma cartinha toda fofinha e colorida explicando que os duendes não conseguiram fazer a minha Barbie a tempo e, por isso, mandaram outra Barbie no lugar.

O problema é que eu reconheci a letra da minha mãe e, por muito que ela dissesse que a letra do Papai Noel era igualzinha à dela, eu comecei a chorar e deixei de falar com meus pais por algum tempo.

O que me fez chorar, e o que me põe de rastos até hoje, não é o facto de não existir um velho de roupas vermelhas que distribui presentes. É haver alguém que faz você acreditar que ele existe e te engana descaradamente.

4 comentários:

outrocantinhomari disse...

lol
eu fui informada pela minha querida [e horrível] catequista que o Pai Natal não existia logo na primeira sessão de doutrina ... acabou-se o bom comportamento por conta dos presentes.
bijinho*

By Mari Molina disse...

Olá Analu,
Eu também fiquei arrazada quando descobri que Papai Noel não existia. Faltavam alguns dias apenas para o Natal. Apesar da decepção, continuo a adorá-lo e guardo a lembrança dos lindos Natais em família que tínhamos.

MaxReinert disse...

Como assim, Papai Noel não existe?????
Heinnnnnnnnn?????

Larissa Bohnenberger disse...

Eu nunca cheguei a acreditar em Papai Noel... desde criança eu era meio cética com relação às coisas... mas acho ruim mentir pra criança. Depois a decepção é muito maior.
Bjs!