quarta-feira, 27 de maio de 2009

Nem...

Nem é falta do que falar. Até tem assunto, até tem coisas acontecendo na minha vida. Eu ensaiei não sei quantos começos de texto. É mesmo falta de inspiração, entendem? Sabe quando você não consegue escrever um texto sem sair do óbvio? Esse deve ser o tal bloqueio que alguns autores falam.

Porque eu até podia falar da minha amiga que está se separando e está passando pela maior crise "mulherzinha" que eu já presenciei. Ou então poderia falar do meu complexo de sair com homens mais velhos e ter a cabeça cheia de minhocas achando que eles são paternalistas demais. Mas ao mesmo tempo ultrapassam os "garotos" em larga escala.

Aliás, eu recentemente passei a barreira dos 30 e aumentei o limite de idade para 40. Tenho trauma com homens de mais de 40 porque acho que podiam ser meus pais. A minha mãe tem 49 e eu não quero levar para casa um cara que tenha mais assunto com ela do que comigo. Fica chato, né?

Ah, e tem também a mega despedida de solteira que eu estou organizando para uma das minhas melhores amigas. Mas eu não queria fazer 3 posts seguidos falando de casamento. Só que, e parece sacanagem, mas acho que 2009 está sendo o ano dos casamentos. Eu estou naquela idade em que os meus amigos começam a casar e eu ainda não conheci nem metade dos lugares que eu queria.

Eu ainda gosto demais de ir para albergues e dormir em beliches com não sei quantos desconhecidos de nacionalidades diferentes no mesmo quarto para achar que casar seja boa ideia. Aliás, estou tendo uma dificuldade danada para encontrar um hotel para um fim de semana romântico no sul de Portugal.

Mas a verdade é que eu já quase achei que eu estivesse grávida e até nem abominei a ideia. Entrei em paranóia, fiz teste de gravidez no banheiro do escritório e respirei de alívio quando deu negativo. Parte de mim pensou que se viesse seria bem vindo. Ou melhor, bem vinda, porque eu queria ter uma filha mulher para lutar jiu jitsu comigo.

Meninos são chatos porque gostam de jogar futebol. E eu detesto futebol. Desde que terminei com o meu ex que nunca mais soube quem ia jogar com quem, quem venceu que campeonato e essas coisas. Eu só soube que a final da Liga dos Campeões era hoje por causa do logo do "Google".

Eu também queria fazer um texto super bacana sobre como eu finalmente me dei conta que esqueci um cara. Queria falar do quanto tentar esquecer é estúpido e inútil. Porque enquanto a gente está obcecada em esquecer alguém, não faz mais do que lembrar dessa pessoa. Esquecer é um processo natural. Até mais natural que lembrar. Acontece quando a gente menos espera.

E é engraçado depois descobrir que aquela pessoa que julgávamos essencial, nem faz falta na nossa vida.

8 comentários:

outrocantinhomari disse...

Analu,

adoro todos os seus posts, mas amei o último parágrafo ... era tudo o que eu precisava de ler ;)
bijinho*

Anónimo disse...

Escreve aí, Ana... Até sem inspiração você é divertida. Um beijo carioca e muita paz!

M. Nilza disse...

Oi, Analu!

Amo esse nosso mundinho, tão mal falado ás vezes, por essa razão - encontramos com frequencia pessoas que trazem á tona o que pensamos e não nos damos conta, o que fazemos e nem percebemos e achei isso de não dar bola para o esquecer muito bem lembrado, tbm concordo: esquecer não exige coisa alguma, apenas nem tentar...

beijos

By Mari Molina disse...

Concordo com Mari no que diz respeito ao último parágrafo. Quanto a falta de inspiração... o que dá na gente? Credo! Estou assim também.
Beijo

Mary disse...

Adoro ler seus textos, sobre tudo ou sobre nada :)

Fada Lella disse...

PERFEITO! Seu texto terminou falando TUDO. Adorei. Beijos!!!

Anna Soares disse...

Eu Adorei o blog! Precisava ser Ana mesmo!!!
Mas relaxa que crises não inspiradas estão ficando comuns nessa vida blogueira mambembe da gente. Uma hora a gnt dá jeito.
Ou não.

Dedinhos Nervosos disse...

Analu... sabe que estou descobrindo isso agora? Pq eu andava assim: "preciso esquecer Fulano, preciso esquecer... preciso...". Mas as lembranças não me abandonavam... de uns dias para cá, me desapaguei... não esqueci ainda, mas parece q está mais fácil. Bjos!