domingo, 6 de abril de 2008

Porta aberta

Se misturou tanto comigo que eu nem sei onde eu começo e você termina. Mas, ainda assim, tem um jeito de estar fora de mim. E de não bater na porta.

Entrou na minha vida sem pedir licença. Deixou o teu cheiro nos meus lençóis e roubou a paisagem da minha janela.

Me dá presentes só para me deixar sem jeito. Me elogia de um jeito que me deixa sem graça. E cala na hora que devia falar. Ri das minhas piadas. Diz coisas absurdas só para me fazer rir. Preenche todos os clichês de uma maneira tão própria.

E sai da rotina. E sai da minha vida. Do mesmo jeito que entrou. Sem pedir licença.

Mas eu deixo a porta aberta, para o caso de querer voltar.

5 comentários:

Tati disse...

Eu não sei se fecho ou abro as portas... complicado!!! Risos...

Kassandra disse...

O Outro blog da Ana, imitação do outro blog da Mary?

MH disse...

Traduzindo em miudos. PAIXAOOOOOOOOOO.

An@Lu disse...

Oh meu Deus... Kassandra descobriu-me...
(Ploft, desmaiei)

Patrycia disse...

Ohhhhhh!!! Teu texto me despiu!! Esta sou eu... e o que estou vivendo agora!

Patrycia
acendedordelampadas.blogspot.com